segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Dois vídeos de "incitação à violência" de Ricardo Boechat e "todo mundo" (esquerda) ficou quietinho e a Rachel Sheherazade defende a legítima defesa e "tudo mundo" (esquerda) fica acusando de tudo....

Entendendo a esquerda que odeia Rachel Sheherazade e endossa Ricardo Boechat

boecha

Quando eventos recentes, ocorridos no curso de uma única semana, servem para tornar a vida de um investigador de fraudes intelectuais da esquerda uma moleza, a coisa chega a perder a graça.

Os leitores deste blog viram recentemente a palhaçada histérica feita pela esquerda contra Rachel Sheherazade que, com argumentação lógica, representou muito bem a posição do cidadão comum e humilde vítima de criminosos violentos. Em retribuição, os esquerdistas usaram diversas táticas de assassinato de reputações e patrulhamento ideológico, querendo transformar uma argumentação lógica (e sem nenhum conteúdo focado à incitação de crime, mas em entendimento da situação) proferida pela âncora do SBT em um crime moral. Esse tipo de sensibilidade artificial histérica é um jogo típico que a esquerda joga para censurar seus oponentes. Posts em que tratei a questão incluem:

Pois não é que entra em cena o evento mostrando que a extrema-esquerda, representada pelos Black Blocs, deliberadamente lançou um rojão sobre um cinegrafista da TV Bandeirantes. O repórter, Santiago Andrade, de 49 anos, está em estado grave. E o que isso tem a ver com a questão do bandidinho do poste? Praticamente tudo, pois temos um evento para testar comportamentos de pessoas diante do crime.

Antes precisamos de algumas classes de discurso para estudarmos esse tipo de comportamento. Por exemplo, diante de um crime cometido, podemos ter os seguintes discursos, dentre outros

  • agravação: o crime é mais grave do que os similares cometidos. Por exemplo, o estupro contra um bebê de 9 meses é ainda mais grave do que o estupro de um homem ou uma mulher adulta.
  • atenuação: o crime é considerado menos grave do que os similares cometidos. Por exemplo, a vítima de um crime já havia feito um crime contra seus ofensores. Por isso, se uma mulher estrangular um sujeito que a havia estuprado no passado, ela tem um atenuante.
  • inocentação: o criminoso é declarado como inocente do crime cometido, por diversos motivos.
  • transferência: o crime não foi feito pelo acusado, mas por outra pessoa.
  • justificação: o crime não é considerado um crime, por ter sido avaliado pelo discursante como correto.
  • incitação: o crime não só está correto, como deve ser cometido mais vezes.
Por exemplo, os crimes cometidos pelo bandidinho do poste são muito mais graves do que o crime cometido por aqueles que o amarraram nu ao poste. Entretanto, a esquerda lançou discursos de agravação em relação aos últimos, mostrando que seus valores morais são invertidos. Rachel Sheherazade lançou um discurso de atenuação (e bastante racional) em direção aos que amarraram o bandidinho ao poste. De maneira injustificada (e desonestíssima), a esquerda a acusou de incitação ao crime. 

Mas a coisa não pára por aí. Em relação ao crime cometido contra o cinegrafista, nenhum cidadão em sã consciência poderia lançar qualquer discurso que não o de agravação. Isso por que o cinegrafista não fazia mal a ninguém, e o motivo para lançar sobre ele um rojão é extremamente torpe. Só que temos gente como o jornalista Ricardo Boechat lançando um discurso de incitação às ações dos Black Blocs, que obviamente propagam a moral psicopática, a qual justifica toda e qualquer barbárie cometida pelo seu grupo. Veja abaixo:
O marginal Black Bloc entendeu a mensagem direitinho, especialmente em relação ao quebra-quebra, tanto que o crânio do cinegrafista Santiago foi perfurado. Se ele sobreviver, ficará com graves sequelas.
Abaixo, Boechat usa o discurso de atenuação:
Agora o tal rojão foi “lançado contra ninguém”. O problema é que não é este discurso o que ele usa quando fala da polícia. Para piorar, ele também usa o discurso de transferência, falando em “infiltrados”. Quais infiltrados? Por quem? O problema é que não havia infiltrado algum. Foi realmente um Black Bloc o responsável pela violência inaceitável contra o cinegrafista.
Essa é nossa situação atual: enquanto a jornalista Rachel Sheherazade é injustamente acusada de incitação ao crime (quando na verdade ela apenas fez um discurso muito racional mencionando o atenuante para um crime), jornalistas de esquerda seguem praticando esta incitação ao crime de maneira formal. Mas como defendem grupos com os quais se alinham ideologicamente (Black Blocs, e criminosos profissionais, como o bandidinho do poste), transferem sua mania de incitar crimes contra civis aos outros.

Sendo assim, todo o discurso lançado pela esquerda constitui um gravíssimo crime moral, uma verdadeira aberração ética, na qual temos apologistas do crime lançando sobre os outros as culpas que eles possuem. São os “intelectuais” da esquerda os responsáveis por criar a situação de insegurança extrema no Brasil. E, enquanto fazem isso, lutam contra qualquer um que queira falar algo em prol das vítimas de criminosos violentos.

Pessoas como o cinegrafista Santiago, as vítimas do bandidinho do poste, ou mesmo todos aqueles cidadãos honestos que todos os dias são vítimas de violência urbana (a partir de criminosos profissionais) não tem quem olhe por eles. Os “intelectuais” da esquerda, no entanto, só se preocupam com a segurança dos terroristas marginais e com a integridade física de criminosos violentos, como assaltantes à mão armada, sequestradores e estupradores.

É hora de apoiarmos não apenas Rachel Sheherazade, como todos aqueles que se insurgirem com essa gravíssima inversão de valores, priorizando a defesa de bárbaros. O que precisamos, no fundo, é lutar contra psicopatas que tentam monopolizar a opinião pública, pois aqueles que priorizam o apoio a criminosos violentos e terroristas Black Blocs são pessoas verdadeiramente más, que se deliciam com o sofrimento dos inocentes. Este é o tipo de caráter daqueles que querem destruir Rachel Sheherazade. Em suma, lutamos contra pessoas extremamente cruéis.

Fonte:
http://lucianoayan.com/2014/02/08/entendendo-a-esquerda-que-odeia-rachel-sheherazade-e-endossa-ricardo-boechat/

Nenhum comentário:

Postar um comentário